sexta-feira, 13 de março de 2009

O Enigma de Kasper Hauser

Olá personas! Estoy de volta! Com sede de escrever, vou beber letras. Até comprei sopa de letrinhas. Essa semana foi bem agitadinha, bem legalzinha, bem rapidinha. Falo que foi legal, mas é claro que não foi toda legal, né? Você já viu algo ser legal 100%? Já? Eu também... Mas enfim, o blog é meu e pelo menos aqui eu posso ser incoerente, é pelo menos aqui...

Vou começar a contar a semana pelo fim, e não sei se vou contar os outros dias. Opa! Olha eu com a incoerência de novo, eu não disse no parágrafo acima que estava com sede de escrever? E estou, mas não para contar cada detalhezinho minucioso dessa semana que passou, só os mais importantes. Ah, e minha semana começa segunda, não no domingo. Então se eu fosse escrever um post sobre a estória da minha semanita eu ia começar pela segunda, porque domingo para mim é fim de semana! Outras pessoas incluem a sexta como fim de semana também, mas aí já são outros quinhentos. Gosto muito dessa expressão ' outros quinhentos', só tem aqui no Brasil e é algo patriótico até, é melhor do que dizer: O pelé é o rei!
Começei as aulas do período novo da universidade, estou no quinto, há duas semanas atrás. E me matriculei numa disciplina, dentre as quatro que eu peguei, chamada Introdução à Psicologia da Aprendizagem. Para falar a verdade não curto essa disciplina, prefiro a do desenvolvimento, mas isso também está classificado como outros quinhentos.

O fato é que o prfofessor passou um filme para a gente entender melhor as teorias das 'prendizagi' e o filme eraaaa, tcharammm, divinha, isso mesmo, o título do post.
Antes de eu ver o filme eu só tinha entendido ele falar: o de enigma de tjafghagtfk, porque o professor fala baixo, e quando ele falou o nome do filme ele falou mais baixo ainda. Não estava nem aí mesmo, fui ver o filme, 'paixonei'. É bacano, simples, não é blockbosta, mas tem tudo de bom lá, inclusive críticas à igreja, aliás das mais belas que já ouvi. O filme é alemão e aparenta ser bem antigo, não pesquisei nada sobre o filme, mas sim sobre a vida do Kasper Hauser, traduzi na minha cabeça isso como 'fantasma da casa', nãoqueronemsaber se tá certo ou não, é minha tradução, tá legal? hehehehe

Sabe aquela velha estória que sempre contam em disciplinas de psicologia, que houve uma caso verídico na Europa tipo Tarzan/Nell/Mogli/Rômulo e seu irmão gêmeo que esqueçi o nome agora...Pois o filme fala sobre isso, sobre um garoto que foi afastado da sociedade e de repente retorna, no filme na verdade nem é um garoto que interpreta, mas serve a intenção. O ator interpreta muito bem, achei que ele fala igual a Bjork, isso explica por que ela é daquele jeito ela deve ter sido criada longe da sociedade para agir daquelas formas, hehehe, brincadeirin, gosto pacas da Bjork, quer dizer...ô incoerência que não me abondona, mas pensando bem eu estaria sendo incoerente se não reconhecesse a incoerência mas como eu estou reconhecendo... Mas aí são outros quinhentos. Again.

Como todo o filme europeu , este aqui referido causou susto aos alunos que estão acostumados às estruturas hollywoodianas, eu particularmente acho um pouco chato quase cinco minutos de plano aéreo, mas o filme começa andar em certo ponto, para o meu agrado e ao da turma. Um momento de comoção geral foi quando o personagem principal descobre que não se deve brincar com fogo, ele põe o dedo em uma vela acessa, percebe que isso queima e tira o dedo dali na hora, só que ele não reconhece expressões, não sabe expressar a dor, o que ele faz simplesmente é ficar com a cara imóvel e deixar as lágrimas rolarem...Deu peninha, as meninas fizeram óooooooooooo, tadiiinho.

Teve um cara do meu lado que chamou ele de 'viado' duas vezes só por que ele ficou emocionado quando segurou um bebê no colo! Pobre do filho deste rapaz, hein? Mas fora isso o pessoal gostou muito, o personagem é muito engraçado e contestador, a imaginação dele é muito fértil, e o momento em que ele discorda de um matemático que foi contratado para ser seu professor é formidáverr. Cara, eu sempre quis falar isso que ele falou pra um matemático. A discussão foi algo assim: O matemático era um cara especialista em lógica e foi contratado para avaliar o nível de inteligência do Kasper, então ele passou uma lógica para ele resolver. Existiam duas cidades, uma era de mentirosos e outra era de pessoas sinceras. Mentirolândia e Verdadolândia( inventei esses nomes pras cidades, hehe) e então se ele encontrasse um habitande de tais cidades na estrada o que ele deveria perguntar para descobrir a cidade de origem do camaradinha? Pra te dizer a verdade nem eu entendi a resposta do carinha, nem eu e nem a governanata que tava com o Kasper na hora. O Kasper para o expanto de todos refutou a resposta do bambambam da lógica e disse: Eu perguntaria pro cidadão se ele era uma rã, se ele disesse que era então ele vinha de Mentirolândia, se não de Verdadolândia! Gênio! O cara disse que essa resposta era ridícula e a cara de desprezo/chateação do Kasper foi hilária, digna de oscar, morri de rir.

Em suma esse filme foi a melhor coisa que essa disciplina pôde trazer para mim, e até agora acho que será uma das únicas! Viva o Kasper Hauser!!!!

E olha só o que eu achei no youtube! A parte da lógica! Vejam por si mesmos:



E aqui está a Bjork quando foi reentroduzida à sociedade na adolescência( 20 anos é adolescente pra mim ainda, certo?). Percebam a semelhança com o Kasper, ehhehe.



Tenham medo da TV!

2 comentários:

tatyaloou disse...

Você é tão inteligente Oo

iaeeee disse...

^^
Brigado, ganhou meu coração...